Aspectos de militarização e defesa costeira no Garb al-Ândalus: o caso de Cascais

Marco Oliveira Borges

Resumen


Título: Aspectos de militarização e defesa costeira no Garb al-Ândalus: o caso de Cascais

 

Título: Aspectos de la militarización y defensa costera en Garb al-Ândalus: el caso de Cascais

 

Title: Aspects of militarization and coastal defence in the Garb al-Ândalus: the case of Cascais

 

[PT] Resumo: Entre os séculos VIII-XII o território do actual concelho de Cascais terá tido um papel importante no sistema de defesa costeira do Garb al-Ândalus. Integrado na área ocidental marítima do distrito (kura) de Lisboa, este território estaria dotado de estruturas defensivas e de alerta envolvidas num sistema que começaria a ganhar forma a partir do litoral de Sintra, ao mesmo tempo que o seu porto e ancoradouros locais permitiam apoiar as actividades marítimas e militares.

Palavras-chave: Garb al-Ândalus, distrito de Lisboa, militarização, defesa costeira, Cascais

 

[ES] Resumen: Entre los siglos VIII-XII el territorio del actual municipio de Cascais habrá tenido un papel importante en el sistema de defensa costera del Garb al-Ândalus. Integrado en la zona oeste del distrito marítimo (kura) de Lisboa, este territorio estaba dotado de estructuras defensivas y de alerta involucradas en un sistema que comenzaría tomando forma a partir de la costa de Sintra, mientras que su puerto y amarres locales permitían el apoyo de las actividades marítimas y militares.

Palabras clave: Garb al-Ândalus, distrito de Lisboa, militarización, defensa costera, Cascais

 

[EN] Abstract: Between the 8th and the 12th centuries the territory of the current municipality of Cascais played an important role on the coastal defence system of the Garb al-Andalus. Being part of the Western maritime area of the district (kura) of Lisbon, this territory was endowed with defensive and alarm structures engaged in a system that would gain its shape from the coast of Sintra, and at the same time its port and local anchorages helped support the maritime and military activities. Using an interdisciplinary methodology that brings together historical and archaeological data, the geographical recognition of the territory and the study of toponymy, we bring a further contribution that systematizes the information available and is part of spatially more expanded investigations that have been developed. In fact, these ongoing investigations have highlighted the Sintra-Cascais geographical complex, bringing new perspectives and a reinterpretation on the Islamic occupation of this area. The coast of the present municipality of Cascais extends between the port of Touro and Carcavelos, being endowed with a very rich maritime cultural landscape that has also been exploited in the scope of underwater archaeology. The port of Touro, flanked by the archaeological site of the Espigão das Ruivas, was also used by Muslims, although it is still unclear in which context. From this location to Carcavelos there are some toponyms that may be associated with the Islamic past and maritime and defensive activities, so they will also be our focus. Recently, even the place name Cascais has been related to the former Islamic presence of this area, and this is a subject that needs to be further explored. Finally, we will approach the port of Cascais and its adjacent area, which is known for a fact to have had human occupation ever sincethe Roman Period. Given its strategic position for navigation and its proximity to Lisbon, it is very likely that it was already permanently occupied and provided with a fortification during the Islamic period. 

Keywords: Garb al-Ândalus, district of Lisbon, militarization, coastal defense, Cascais

Palabras clave


Garb al-Ândalus; distrito de Lisboa; militarización; defensa costera Cascais

Texto completo:

PDF

Referencias


Fontes

ABENALCOTÍA: Historia de la conquista de España de Abenalcotía el Cordobés. Seguida de fragmentos históricos de Abencotaiba, etc, Madrid, Tipografía de la Revista de Archivos, 1926.

AL-HIMYARI: Kitab ar-Rawd al-Mi’tar, Valencia, Anubar, 1963.

António Borges COELHO: Portugal na Espanha Árabe, 3.ª ed. rev., Lisboa, Editorial Caminho, 2008.

ANTT: Chancelaria de D. Dinis, liv. I, fls. 46v-47.

ANTT: Chancelaria de D. Fernando, liv. 1, fl. 56.

Fátima ROLDÁN CASTRO: El Occidente de Al-Andalus en el Atar al-Bilad de al-Qazwīnī, Sevilla, Ediciones Alfar, 1990.

Bibliografia

A. H. de Oliveira MARQUES: «Sintra e Cascais na Idade Média», Novos Ensaios de História Medieval Portuguesa, Lisboa, Editorial Presença, 1988, pp. 144-153.

A. H. de Oliveira MARQUES: «O «Portugal» islâmico», em Joel Serrão e A. H. de Oliveira MARQUES (dir.), Nova História de Portugal, vol. II – Portugal das Invasões Germânicas à Reconquista, Lisboa, Editorial Presença, 1993, pp. 121-249.

A. H. de Oliveira MARQUES e João José Alves DIAS: Atlas Histórico de Portugal e do Ultramar Português, Lisboa, Centro de Estudos Históricos, 2003.

Adalberto ALVES: Dicionário de Arabismos da Língua Portuguesa, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2013.

Adel SIDARUS e António REI: «Lisboa e seu termo segundo os geógrafos árabes», Arqueologia Medieval, 7 (2001), pp. 37-72.

André de OLIVEIRA-LEITÃO: O Povoamento no Baixo Vale do Tejo: entre a territorialização e a militarização (meados do século IX‐início do século XIV), Dissertação de mestrado inédita, Universidade de Lisboa, 2011.

António CARVALHO e Jorge FREIRE: «Cascais y la Ruta del Atlántico. El establecimiento de un puerto de abrigo en la costa de Cascais. Una primera propuesta», Roma y las Províncias: modelo y difusion. XI Coloquio Internacional de Arte Romano Provincial, vol. II, Badajoz, Consejería de Cultura y Turismo, 2011, pp. 727-738.

António REI: «Ocupação humana no alfoz de Lisboa durante o período islâmico (714‐1147)», A Nova Lisboa Medieval. Actas do I Encontro, Lisboa, Edições Colibri, 2001, pp. 25-42.

António REI: O Gharb al-Andalus al-Aqsâ na Geografia Árabe (séculos III h. / IX d.C. – XI h. / XVII d.C.), Lisboa, Instituto de Estudos Medievais, 2012.

A. H. de Oliveira MARQUES: «Para a História do Concelho de Cascais na Idade Média – I», Novos Ensaios de História Medieval Portuguesa, Lisboa, Editorial Presença, 1988, pp. 108-135.

Carlos CALLIXTO: «A Praça de Cascais e as Fortificações suas dependentes», Revista Militar, 5 (1978), pp. 321-343.

Catarina COELHO: «A ocupação islâmica do Castelo dos Mouros (Sintra): interpretação comparada», Revista Portuguesa de Arqueologia, 3:1 (2000), pp. 207-225.

Christophe PICARD: La mer et les Musulmans d’occident au Moyen Age (VIIIe - XIIIe siècle), Paris, Presses Universitaires de France, 1997.

Christophe PICARD: Le Portugal musulman (VIIIe - XIIIe siècle). L’Occident d’al-Andalus sous domination islamique, Paris, Maisonneuve et Larose, 2000.

Dolors BRAMON: El Mundo en el Siglo XII. Estudio de la versión castellana y del “Original” Árabe de una geografía universal: “El tratado de al-Zuhri”, Barcelona, Editorial Ausa, s.a.

Fátima ROLDÁN CASTRO: «Los Mayus. A proposito de un texto atribuido a al-Udri», Philologia hispalensis, 2 (1987), pp. 153-158.

Fernando Branco CORREIA: «A acção do poder político nas actividades portuárias e na navegação no ocidente islâmico. Alguns tópicos», em Jesús Angel Solórzano Telechea e Mário Viana (eds.), Economia e Instituições na Idade Média. Novas Abordagens, Ponta Delgada, Centro de Estudos Gaspar Frutuoso, 2013, pp. 11-38.

Fernando Branco CORREIA: «Fortificações de iniciativa omíada no Gharb al-Andalus nos séculos IX e X – hipóteses em torno da chegada dos Majus (entre Tejo e Mondego)», em Isabel Cristina F. Fernandes (coord.), Fortificações e Território na Península Ibérica e no Magreb (séculos VI a XVI), vol. I, Lisboa, Edições Colibri/Campo Arqueológico de Mértola, 2013, pp. 73-86.

Ferreira de ANDRADE: A Vila de Cascais e o Terremoto de 1755, 2.ª ed, Cascais, Câmara Municipal de Cascais, 1964.

Ferreira de ANDRADE: Cascais – Vila da Corte. Oito Séculos de História, Cascais, Câmara Municipal de Cascais, 1964.

Guilherme CARDOSO: «As cetárias da área urbana de Cascais», Setúbal Arqueológica, 13 (2006), pp. 145-150.

Guilherme CARDOSO: Carta Arqueológica do Concelho de Cascais, Cascais, Câmara Municipal de Cascais, 1991.

Guilherme CARDOSO e João Pedro CABRAL: «Apontamentos sobre os vestígios do antigo castelo de Cascais», Arquivo de Cascais. Boletim Cultural do Município, 7 (1988), pp. 77-90.

Guilherme CARDOSO, Jorge MIRANDA e Carlos A. TEIXEIRA: Registo fotográfico de Alcabideche e alguns apontamentos histórico-administrativos, Alcabideche, Junta de Freguesia de Alcabideche, 2009.

Helena CATARINO: «Breve sinopse sobre topónimos Arrábida na costa portuguesa», em Francisco Franco Sánchez (ed.), La Rábita en el Islam. Estudios Interdisciplinares. Congressos Internacionals de Sant Carles de la Ràpita (1989, 1997), Sant Carles de la Ràpita/Alacant, Ajuntament de Sant Carles de la Ràpita/Universitat d’Alacant, 2004, pp. 263-274.

Hélio PIRES: Incursões Nórdicas no Ocidente Ibérico (844-1147): Fontes, História e Vestígios, Tese de doutoramento inédita, Universidade Nova de Lisboa, 2012.

J. Diogo CORREIA: Toponímia do concelho de Cascais, Cascais, Câmara Municipal de Cascais, 1964.

João CABRAL e Guilherme CARDOSO: «Escavações arqueológicas junto à torre-porta do Castelo de Cascais», Arquivo Cultural de Cascais. Boletim Cultural do Município, 12 (1996), pp. 127-145.

João J. Alves DIAS: «Cascais e o seu termo na primeira metade do século XVI – aspectos demográficos», Arquivo de Cascais. Boletim Cultural do Município, 6 (1987), pp. 67-71.

João J. Alves DIAS: «Lisboa Medieval na Iconografia do século XVI», Ensaios de História Moderna, Lisboa, Editorial Presença, 1988, pp. 117-128.

Joaquim Manuel Ferreira BOIÇA, Maria de Fátima Rombouts de BARROS e Margarida de Magalhães RAMALHO: As Fortificações Marítimas da Costa de Cascais, Cascais, Quetzal, 2001.

Jorge de ALARCÃO: «Notas de Arqueologia, epigrafia e toponímia – V», Revista Portuguesa de Arqueologia, 11:1 (2008), pp. 103-121.

Jorge FREIRE: À Vista da Costa: a Paisagem Cultural Marítima de Cascais, Tese de mestrado inédita, Universidade Nova de Lisboa, 2012.

Jorge LIROLA DELGADO: El poder naval de al-Andalus en la época del califato omeya (siglo IV hégira/X era cristiana), Tesis doctoral inédita, vol. I., Universidad de Granada, 1991.

José Cardim RIBEIRO: «Felicitas Ivlia Olisipo. Algumas considerações em torno do catálogo Lisboa Subterrânea», sep. de Al-Madan, II:3 (1994), pp. 75-95.

José D’ENCARNAÇÃO: Cascais, paisagem com pessoas dentro, Cascais, Associação Cultural de Cascais, 2011.

José Pedro MACHADO: Sintra muçulmana. Vista de olhos sobre a sua toponímia arábica, Lisboa, Na Imprensa Mediniana, 1940.

Manuel A. P. LOURENÇO: As Fortalezas da Costa Marítima de Cascais, Cascais, Câmara Municipal de Cascais, 1964.

Manuel A. P. LOURENÇO: «História de Cascais e do seu Concelho», A Nossa Terra, 42 (1953), pp. 8 e 19.

Manuel A. P. LOURENÇO: «História de Cascais e do seu Concelho», A Nossa Terra, 43 (1953), p. 10.

Manuel LOURENÇO: «História de Cascais e do seu Concelho», Jornal da Costa do Sol, 262 (1969), p. 19.

Marco Oliveira BORGES: «A defesa costeira do litoral de Sintra-Cascais durante o Garb al-Ândalus. I», História. Revista da FLUP, IV: 2 (2012), pp. 109-128.

Marco Oliveira BORGES: «A defesa costeira do litoral de Sintra-Cascais durante a Época Islâmica. II – Em torno do porto de Cascais», Paisagens e Poderes no Medievo Ibérico. Actas do I Encontro Ibérico de Jovens Investigadores em História Medieval. Arqueologia, História e Património, Braga, Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória», Universidade do Minho, 2014, pp. 409-441.

Marco Oliveira BORGES: «A torre defensiva que D. João II mandou construir em Cascais: novos elementos para o seu estudo», História. Revista da FLUP, IV:5 (2015), pp. 93-117.

Marco Oliveira BORGES: «Em torno da preparação do cerco de Lisboa (1147) e de uma possível estratégia marítima pensada por D. Afonso Henriques», História. Revista da FLUP, IV:3 (2013), pp. 123-144.

Marco Oliveira BORGES: O porto de Cascais durante a Expansão Quatrocentista. Apoio à navegação e defesa costeira, Dissertação de mestrado inédita, Universidade de Lisboa, 2012.

Marco Oliveira BORGES e Helena Condeço de CASTRO: «O navegador muçulmano Khashkhash e a possível ligação com o topónimo “Cascais”: problemas e possibilidades», Arquivo de Cascais, 14 (2015), pp. 3-25.

Margarida de Magalhães RAMALHO: «A defesa de Cascais», Monumentos. Cidades. Património. Reabilitação, 31 (2011), pp. 34-45.

Sérgio Luís CARVALHO: «Acerca das minas do Suímo (Belas), sua identificação com Ossumo e respectiva exploração pela Coroa na Idade Média», Arqueologia do Estado. 1.as Jornadas sobre formas de organização e exercício dos poderes na Europa do Sul, séculos XIII-XVIII, Lisboa, História e Crítica, 1988, pp. 465-473.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

Licencia Creative Commons
Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-SinDerivar 4.0 Internacional